Compartilhe

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Linkedin Compartilhar no Twitter Compartilhar no Whatsapp

NRF: conheça 4 pontos que vão fazer a diferença em 2021

NRF: conheça 4 pontos que vão fazer a diferença em 2021

Da digitalização dos negócios às parcerias para inovar mais rápido, veja o que você precisa priorizar para crescer ainda mais neste ano 

O varejo mundial está passando por um período de transformações profundas. Se você está sentindo que as mudanças se aceleraram e que o que podia ficar para depois virou “para ontem”, saiba que essa é a realidade de todos. Aqui e no exterior. Já não era muito fácil encarar a velocidade das inovações, e a pandemia só acelerou esse processo. Afinal de contas, faz quase um ano que o dia a dia é de encontrar respostas para perguntas que acabaram de ser feitas.

A primeira edição virtual da história da NRF Big Show, o principal evento de varejo do mundo, refletiu as incertezas, transformações e a velocidade da reinvenção das empresas. Com base nos insights do evento, já apresentamos 4 caminhos estratégicos para o varejo neste 2021 e mostramos 5 tendências tecnológicas que o varejo brasileiro precisa adotar. Mas é possível ir além.

Mitch Joel, fundador do Six Pixels Group, resumiu bem na NRF 2021 como foram os últimos 12 meses. Para ele, tivemos uma aceleração entre 3 e 5 anos na forma como os consumidores compram e se relacionam com as marcas. E é fato: planos para 2022 e 2023 foram executados no meio da pandemia, já que os clientes abraçaram de vez os meios digitais. Mesmo setores como supermercados, ainda muito analógicos, precisaram oferecer vendas online e serviços de delivery para atender clientes inseguros de sair de casa. 

 

Leia também:

Conheça os 4 caminhos estratégicos para o varejo em 2021

5 tendências tecnológicas da NRF 2021 para o varejo brasileiro

 

Para Joel, a reação do varejo à crise pode ser dividida em três estágios:

1)      Survive (sobreviver): foi o início da crise, quando o choque de uma pandemia que chegou muito mais rápido do que o previsto ao Brasil se somou à necessidade de fechar as lojas. O que fazer com os estoques? Como atender os clientes? Como ficam os colaboradores? Todos nós tivemos que encontrar soluções.

2)      Stand (manter): o segundo estágio foi entender que era possível viver sem lojas físicas abertas. Difícil, sem dúvida. Muito desafiador. Mas não impossível. O crescimento do ecommerce e a expansão dos marketplaces mostram que as empresas encontraram soluções.

3)      Strive (prosperar): quanto mais entendemos que não voltaremos ao que era antes, mais aceleramos a transformação dos negócios. Os meios de pagamento digitais são uma revolução ao alcance do varejo, o delivery passa a ser essencial e os novos papeis da loja física mostram que o PDV que se reinventar terá vida longa. 

Este é um excelente momento para utilizar as lições aprendidas em 2020 para crescer ainda mais. Por isso, esteja atento a alguns pontos que foram destacados na NRF 2021 e que podem fazer toda a diferença neste ano: 

1)      Propósito não é apenas um slogan

A questão do propósito marcou grande parte dos debates da NRF 2021. Não se trata de ter um posicionamento “bonitinho” diante dos clientes: é preciso que o propósito faça parte do DNA da marca e apareça em todas as interações com o consumidor. “Os clientes percebem a humildade e a honestidade nas promoções, nas conversas com os vendedores, em toda parte”, diz Rebecca Allen, fundadora da marca de moda que leva seu nome. “Vivemos em um mundo mais transparente, em que o que acontece com os fornecedores impacta a imagem das marcas. Por isso, você não pode construir uma mensagem que esteja desconectada”, afirma.

Segundo ela, essa construção precisa começar na cultura da empresa. “Seus colaboradores precisam ser seus primeiros embaixadores. Se o propósito da marca não for claro e os times abraçarem essa cultura, nada acontece”, completa. 

2)      Diversidade e inclusão

Em um ano marcado por grandes discussões sobre racismo, temas como inclusão e diversidade ganharam ainda mais força. “Não é uma questão de ser moralmente correto: esses são temas essenciais para a sobrevivência de qualquer negócio”, afirma Christiane Pendarvis, co-presidente da Savage x Fenty, a marca de lingerie da cantora Rihanna. “É impossível conhecer o cliente e ser relevante para ele se o público não é representado na empresa”, diz.

De fato, qual é a chance de uma diretoria formada por homens brancos acima de 65 anos conseguir se conectar com jovens negras da periferia? Muito pequena. “Vários estudos mostram que empresas com mais diversidade têm melhores resultados. Isso acontece por um motivo bem simples: a empresa tem visões diferentes e mais elementos para tomar boas decisões de negócios”, completa Christiane. Diversidade e inclusão fazem bem para a sociedade e para os resultados do varejo. 

3)      O abismo digital aumenta

A pandemia foi, em muitas coisas, um período de exceção. No setor de supermercados, por exemplo, a necessidade de abastecer a casa motivou muitos clientes a procurar quem entregasse mais rápido. “Mas isso foi algo temporário”, decreta Guillaume Bacuvier, CEO da dunnhumby. “Assim que a situação se estabilizou, os consumidores voltaram a dar mais valor a preço e qualidade, que são aspectos que geram confiança de longo prazo”, comenta.

Segundo Bacuvier, no ano passado os varejistas mais bem preparados digitalmente cresceram 4 vezes mais que os menos preparados, abrindo um abismo entre as empresas. “As vantagens competitivas do digital, como a capacidade de entender os clientes e reagir rapidamente às mudanças, ficaram ainda mais claras durante a crise. Quem ficou para trás precisa acelerar muito sua transformação para conseguir competir”, acredita. 

4)      Sozinho ninguém chega lá

A pandemia reforçou a necessidade de quebrar paradigmas e desenvolver parcerias. “Quando ninguém tem respostas, a troca de ideias e de soluções gera melhores resultados”, analisa Carrie Tharp, vice-presidente de varejo e consumo do Google Cloud. “O volume de informações e a velocidade das mudanças são tão grandes que é impossível dar conta de tudo sozinho. Por isso a necessidade de colaborar com parceiros, fornecedores e até mesmo com concorrentes”, afirma. “Você pode e deve se inspirar pelo que outras empresas estão fazendo. Só assim é possível ter agilidade para encontrar respostas rápidas para os desafios do mercado”, diz. 

A edição virtual da NRF 2021 mostrou que a digitalização dos negócios é essencial e que melhores resultados são obtidos quando a empresa faz parte de um ecossistema que troca informações e analisa dados com velocidade e eficiência. Conte com a Linx Digital para ajudar você na jornada de digitalização do varejo e aumente seus resultados.

Conheça nossas soluções de ecommerce, retargeting e omnichannel e fale com a gente para impulsionar seu negócio!

 

Nosso website faz uso de cookies. Para mais informações, acesse nossa Política de Cookies.

Vendas