Fashion Tech: a revolução que transforma o varejo de moda!

Fashion Tech: a revolução que transforma o varejo de moda!

Com o uso intensivo de tecnologia, as fashion tech tem adotado novos modelos de negócios para entender melhor o consumidor e vender mais.

A transformação digital tem feito com que todo negócio se torne mais tecnológico. Para o varejista, que tradicionalmente era um negócio de “barriga no balcão”, isso significa uma verdadeira mudança. Uma revolução que vem criando um novo varejo de moda: o fashion tech.

Há alguns anos, falar em fashion tech era falar de  empresas online, que só tinham presença no mundo digital. Hoje em dia, as empresas combinam elementos offline e online para oferecer experiências omnichannel – e, com isso, o conceito de fashion tech se torna mais amplo.

Assim, uma empresa fashion tech pode ser desde uma startup de moda até uma grande empresa que aprofunda sua transformação digital para se tornar ágil, flexível e data driven. Seja para mudar processos e se tornar mais sustentável, para implementar novos modelos de negócios, criar experiências diferentes para os clientes ou personalizar o relacionamento, as fashion tech inovam com um foco muito claro: o consumidor final.

Fashion Tech

Por isso, as fashion tech representam o futuro do varejo de moda. Um futuro baseado em disrupção em diversas tecnologias:

Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial (IA) automatiza processos e decisões, executando atividades que antes eram realizadas por seres humanos com mais velocidade e precisão. A identificação de clusters de consumidores e a previsão dos níveis de estoque são exemplos de uso de IA que criam novas experiências para os consumidores, diminuem o desperdício na cadeia de suprimentos e aceleram o desenvolvimento de linhas de produtos.

Impressão 3D

A tecnologia de impressão 3D não é exatamente nova: há anos ela vem sendo usada pela moda para acelerar o desenvolvimento de produtos, personalizar itens e entregar acessórios e vestuário sob medida para os consumidores. Na base do uso dessa tecnologia está a ideia de entregar um produto único para cada cliente, 100% adaptado às preferências dos consumidores.

Analytics

As tecnologias de coleta e análise de grandes volumes de dados são essenciais para entender com mais precisão os interesses dos clientes e, com isso, criar campanhas promocionais, produtos e serviços mais assertivos.

As análises do comportamento de compra dos consumidores podem se basear em fatores tão diversificados quanto os tíquetes de consumo nas lojas, pesquisas em mecanismos de busca e interações nas redes sociais. Quando aliadas à inteligência artificial, as tecnologias de analytics antecipam tendências e melhoram o planejamento estratégico do varejo de moda.

Novos desenhos para o varejo de moda

Uma das grandes críticas ao varejo de moda é seu impacto ambiental. Por isso, um dos focos das fashion tech é desenvolver tecnologias que diminuam os efeitos da produção e distribuição de vestuário e acessórios sobre o meio ambiente. E, para isso, é possível inovar de várias formas:

  • Uso de tecidos sustentáveis, orgânicos e de baixo impacto ambiental;
  • Desenvolvimento de tecidos sintéticos a partir de novas fontes, que sejam menos poluentes;
  • Criação de modelos de upcycling, que reutilizam vestuário para criar produtos e, assim, diminuem a necessidade de processamento de tecidos novos;
  • Cocriação com fornecedores, parceiros e clientes para gerar linhas de produtos personalizados, que utilizam os recursos naturais com mais eficiência.

Com o uso de tecnologias mais sustentáveis e foco em resolver problemas de seus clientes, as fashion tech passam a atuar em novos modelos de negócios, tais como:

Lojas secondhand

O varejo de produtos de segunda mão é uma tendência em forte expansão no mundo todo. A busca por sustentabilidade leva clientes e marcas a retrabalhar produtos e vender itens de segunda mão.

Lojas autônomas

Com o uso de tecnologias de identificação, como câmeras, sensores e visão computacional, as lojas autônomas passam a ganhar espaço no varejo de moda, criando oportunidades para criar pontos de venda em novos espaços.

Lojas omnichannel

Já está mais do que claro que consumidores valorizam a possibilidade de se relacionar com o varejo em qualquer canal. Os varejistas mais atentos têm aproveitado essa oportunidade de várias maneiras:

  • Lojas do tipo guide shop, que não possuem estoque e funcionam como showroom para os clientes. Gostou do produto? A loja entrega em casa;
  • Retirada em loja de pedidos feitos online, o que cria uma oportunidade extra de contato, relacionamento e venda;
  • Uso das lojas físicas como hub de distribuição de produtos na vizinhança, diminuindo os custos de frete e seu impacto ambiental.

Varejo D2C

O direct-to-consumer (D2C) é uma tendência relevante que ganhou impulso com as fashion tech digitais e passou a ser aproveitada pela indústria da moda. Mas, esse é um modelo que só funciona quando a indústria consegue obter dados precisos sobre seus clientes e usar suas lojas como parte de uma experiência omnichannel.

Community commerce

O Community Commerce é uma modalidade de varejo que se baseia na influência das mídias sociais para estabelecer relacionamentos reais com os consumidores a partir de valores e interesses em comum. A ideia é criar um senso de comunidade baseado na autenticidade dos influenciadores digitais e em discursos que são impulsionados pelos consumidores – e não pelas marcas.

O fato é que a união de tecnologia e moda está transformando o relacionamento entre consumidores e marcas. Cada vez mais, as fashion tech permitem interagir com os clientes levando em conta seus hábitos, desejos e necessidades de consumo, melhorando a experiência dos consumidores por meio da automação digital.

Nessa jornada, cada marca deve trilhar seu caminho de conexão com os clientes, estruturando o negócio em torno dos relacionamentos. Para isso, contar com uma ferramenta de CRM que faça a gestão do relacionamento com os clientes passa a ser essencial: a coleta e análise de dados começam em uma plataforma omnichannel que mantenha o engajamento dos clientes e impulsione a marca de moda.

As empresas que se transformaram em fashion tech estão se baseando nos dados dos consumidores para gerar interações cada vez mais relevantes para os clientes. A Linx conta com a solução Linx Reshop, que automatiza a coleta e análise de dados, acelerando o relacionamento com o cliente para gerar personalização em massa e dar mais produtividade para o seu negócio. Quer saber mais? Fale com a gente!

Ficou com
alguma dúvida?

Podemos te ajudar com os desafios do seu negócio e encontrar a solução ideal

Entre em contato

fale com a gente!