Compartilhe

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Linkedin Compartilhar no Twitter Compartilhar no Whatsapp

Os principais desafios da digitalização dos home centers

Os principais desafios da digitalização dos home centers

Se você consulta frequentemente o nosso site, é possível que já tenha lido materiais importantes sobre o impacto da gestão digital no varejo. Hoje, seguimos essa tendência para falar sobre a tecnologia em uma das principais modalidades do segmento.

Afinal de contas, você sabe como promover a digitalização do home center? Da forma como percebemos, essa é uma pergunta fundamental para quem atua no setor e deseja alavancar a eficiência, atratividade e faturamento desse tipo de operação. Então, não perca tempo e acompanhe!

O impacto da tecnologia no varejo

Em um primeiro momento, é importante destacar o impacto revolucionário da tecnologia sobre o varejo. Como todos sabemos, o surgimento e a popularização da internet contribuíram para o desenvolvimento econômico e produtivo do setor varejista.

O exemplo mais emblemático disso é representado pelas gigantescas empresas norte-americanas, como Amazon e Walmart, que cresceram exponencialmente desde a década de 1990, surfando em uma tendência crescente da comodidade promovida pelo e-commerce.

Entretanto, essa é uma análise do passado. O crescimento das lojas online, seja em faturamento, eficiência ou popularidade, é algo normal na atualidade. Agora, mais importante do que isso é analisar o impacto da tecnologia sobre a experiência do consumidor — sobretudo nas lojas físicas.

Com a tecnologia, os lojistas finalmente puderam implementar o conceito do omnichannel. Caso não saiba, essa é a estratégia responsável por unificar as esferas de atendimento, garantindo que o seu cliente tenha uma experiência sincronizada em todos os canais de atendimento. Por exemplo:

  1. o cliente faz o pedido no site;
  2. acompanha a aprovação do pagamento pelo aplicativo;
  3. retira o pedido na loja.

Logicamente, esse é apenas um exemplo, mas que é bem emblemático para demonstrar como a estratégia costura todas as pontas, garantindo um ecossistema de atendimento centralizado e oferecendo uma experiência de compra ágil, prazerosa e transparente para o consumidor.

Além disso, a tecnologia é fundamental para aumentar a interatividade das lojas físicas. Aqui, falamos principalmente das aplicações de IoT (Internet das Coisas), com sensores e sistemas que acompanham o consumidor, notificando promoções e informações importantes para sua experiência de compra.

Um outro exemplo disso é a agilidade operacional. Com QR Codes, a sua loja pode oferecer um meio prático e rápido para que o consumidor descubra informações técnicas dos produtos, permitindo que a loja tenha um visual mais moderno e menos poluído.

Além disso, existem os recursos de pagamento. Aqui, falamos tanto dos totens de autoatendimento, que tornam a experiência pay and go ainda mais rápida e autônoma, como das soluções digitais de pagamento, que combinam rapidez, segurança e praticidade, tanto para a loja como para o cliente.

O espaço da digitalização

Não importa o segmento varejista: seja hipermercado, supermercado ou home center, a digitalização veio para ficar! Comparativamente, essa transformação tem o mesmo impacto e consistência que o delivery no setor de food service.

Logicamente, isso tem uma razão. Afinal de contas, a digitalização é a única forma inteligente e prática de aumentar a rentabilidade da loja no longo prazo, por meio do aumento da agilidade, redução de erros, eliminação de etapas redundantes, automação de tarefas, planejamento e muito mais.

Hoje, a digitalização é um elemento crucial para toda a cadeia operacional varejista, pois é capaz de ajudar com os desafios da logística no varejo, relação com o consumidor, marketing, publicidade, interatividade, engajamento, fidelização, gestão e muito mais.

 

Além disso, é importante notar que, tratando-se de lojas tradicionalmente físicas, como os home centers, a digitalização não deve ser vista como um empecilho, que veio para substituir a experiência presencial. Não é nada disso, ainda mais quando falamos de home centers.

Afinal de contas, esse é o tipo de estabelecimento mais atrativo para uma experiência presencial, pois faz parte do rito de consumo que as pessoas visitem a loja, vejam os itens à sua frente e experienciem uma imaginação vívida de como será aquele produto em sua casa.

Na realidade, a digitalização serve para melhorar a experiência, tanto de quem compra como de quem vende. Para os lojistas, isso é fundamental, sobretudo do ponto de vista administrativo, com a contratação de sistema de gestão e demais soluções específicas para home centers.

Os desafios da digitalização

Competitividade, logística, inovação: no fim das contas, esses são os fatores que devem se manter no campo de visão das lojas físicas. Como todos sabemos, a batalha entre online e físico persiste, criando muitas preocupações para quem opera no lado presencial. Entenda!

Competitividade

Crises criam oportunidades e desafios. É nesse cenário turbulento que algumas gestões prosperam, enquanto outras se acanham e perdem a participação no mercado. Com a pandemia, o e-commerce atraiu um público novo, que era fiel aos estabelecimentos físicos e torcia o nariz para o online.

No entanto, muitas dessas pessoas perceberam que a experiência online não é um bicho de sete cabeças e estão começando a jornada de fidelização. Para quem opera uma loja física, esse é um sinal evidente da importância da digitalização.

Modernizar a sua operação com e-commerce, multicanalidade e tecnologia é fundamental para a sua permanência no mercado, garantindo tanto a fidelização da sua base de clientes como a prospecção de novos consumidores.

Outra tendência de digitalização está no c-commerce (chat commerce), com o relacionamento com o consumidor sendo feito através de soluções de mensageria, como SMS e Whatsapp. Ter a força de vendas capaz de atender usando estas ferramentas é fundamental para atingir ao consumidor, que hoje já é digital.

Além de criar presença digital, é importante revitalizar a loja, assumindo uma identidade mais moderna, minimalista e orientada para a tecnologia, com displays, sensores e soluções inteligentes, que tornem a experiência de consumo presencial mais divertida e interativa do que sua contrapartida online.

Logística

Operações e-commerce nascem com expertise logística, pois trata-se de um componente indispensável ao sucesso da modalidade. Para competir de igual, os home centers devem investir em inteligência logística e também em omnicanalidade, contratando equipes qualificadas e sistemas especializados nessa tarefa.

Inovação

Por último, temos o inusitado fator futurismo. Ainda que os home centers aproveitem seu formato para atrair visitantes, é preciso ir além para realmente convencer as pessoas a saírem de casa. É por isso que é importante investir em soluções realmente fora da caixa.

Um exemplo disso é a Lowe’s — segunda maior rede de home centers no mundo. Agora, a varejista oferece em suas principais unidades o Holoroom, um ambiente de realidade virtual em que o cliente é mergulhado em seu projeto dos sonhos, utilizando os produtos da loja para construir o que está em sua imaginação.

Então, não perca tempo na digitalização do home center. Acesse nosso portal e saiba como a Linx pode ajudar você nessa jornada — fale com a nossa equipe!

Ir para

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Vendas